Governo propõe salário mínimo de R$ 1.040 para o próximo ano
O valor representa alta de 4,2% em relação ao atual de R$ 998
Economia| Por Agência Brasil 15/04/2019 18:28

Pela primeira vez, o valor do salário mínimo ultrapassará R$ 1 mil. O governo propôs salário mínimo de R$ 1.040 para 2020, o que representa alta de 4,2% em relação ao atual (R$ 998). O valor consta do projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2018, apresentado hoje (15) pelo secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues.

Até este ano, o mínimo era corrigido pela inflação do ano anterior medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) mais a variação do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e dos serviços produzidos no país) de dois anos anteriores. Como a lei que definia a fórmula deixará de vigorar em 2020, o governo optou por reajustar o mínimo apenas pela inflação estimada para o INPC.

A LDO define os parâmetros e as metas fiscais para a elaboração do Orçamento do ano seguinte. Pela legislação, o governo deve enviar o projeto até 15 de abril de cada ano. Caso o Congresso não consiga aprovar a LDO até o fim do semestre, o projeto passa a trancar a pauta. O valor do salário mínimo pode subir ou cair em relação à proposta original durante a tramitação do Orçamento, caso as expectativas de inflação mudem nos próximos meses.

Mais Notícias de Economia
23/07/2019 19:03 Governo Federal lança oficialmente programa “Novo mercado do gás”
Secretário do Desenvolvimento de Sergipe reafirma boas perspectivas econômicas
23/07/2019 18:20 BB facilita pagamento do Pasep para correntistas de outros bancos
Beneficiários poderão fazer TED com custo zero
23/07/2019 18:15 ANS limita reajuste de planos de saúde individuais e familiares a 7,3%
A ANS mudou a metodologia do cálculo que define o limite do reajuste
23/07/2019 11:43 Abono do PIS/Pasep começa a ser pago nesta quinta-feira
Mais de 23 milhões de trabalhadores podem receber o dinheiro
23/07/2019 07:43 ANTT suspende novas regras para cálculo de frete mínimo
Agência determinou que ficam valendo as normas aprovadas em 2018