Suspeito de estupro
Vítima depõe em julgamento do caso contra George Magalhães
Ao todo, 17 testemunhas, entre defesa e acusação, começam a ser ouvidas em juízo
Cotidiano| Por Fernanda Araujo 14/03/2019 10:57 - Atualizado em 14/03/2019 12:29

A primeira audiência do processo de estupro e corrupção de testemunhas envolvendo o radialista George Magalhães teve início nesta quinta-feira (14) na 1º Vara Criminal do Fórum Gumersindo Bessa, em Aracaju (SE). O processo corre em segredo de justiça e a imprensa não pôde acompanhar a audiência.

Participam da audiência os advogados do radialista do escritório Evânio Moura, promotores do Ministério Público Estadual e o assistente de acusação, o advogado Lucas Cardinali. A mulher de 42 anos que acusa o radialista de violência sexual depõe hoje. 

Ao todo, 17 testemunhas, entre defesa e acusação, começam a ser ouvidas pela juíza Vanessa Neves. Cinco estão arroladas para depor nesta quarta, entre elas, segundo uma fonte do F5 News, estaria uma mulher que também acusa George de abuso há mais de 15 anos, mas cuja investigação não teria sido iniciada pela ausência de amparo legal. A oitiva das testemunhas de defesa foi remarcada para o dia 4 de julho.

Além de George, responde pelo crime de corrupção de testemunhas o radialista Antero Alves, que em agosto do ano passado era seu produtor em um programa de rádio matinal. Durante a entrada dos advogados, os réus permaneceram do lado de fora da audiência. O radialista disse que não vai se pronunciar por orientação da defesa; Antero também não quis falar com a imprensa.

A vítima, que não teve o nome revelado por questão de segurança, trabalhava no condomínio onde o acusado reside e registrou um Boletim de Ocorrência contra ele, alegando ter sido violentada no momento em que havia buscado o lixo no apartamento.

A defesa afirma que vai utilizar as imagens das câmeras de segurança do corredor do apartamento para comprovar a inocência do radialista. As imagens mostram que a mulher ficou no local por cerca de dois minutos, período em que ela teria sido violentada. O exame de corpo de delito feito na vítima não constatou indícios de agressão, mas o material genético do acusado foi comprovado, o que indica a relação sexual.

George Magalhães ficou preso no presídio da cidade de Estância por quase dois meses, por suspeita de ter coagido a vítima, e no começo do mês de outubro teve o pedido de liberdade provisória negado pela Câmara Criminal do Tribunal de Justiça (TJSE). A defesa entrou com recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e no dia 7 de novembro o ministro Reynaldo Soares da Fonseca concedeu a liberação do radialista.

Mais Notícias de Cotidiano
26/05/2019 19:00 Cata-treco: confira a programação da próxima semana 
Objetivo é recolher materiais que não têm mais serventia
26/05/2019 16:11 Sergipanos participam de ato a favor de projetos do Governo
Em defesa da Nova Previdência, movimento acontece em várias capitais do país 
26/05/2019 16:01 Especialista em atividades do Terceiro Setor realiza palestra em Aracaju 
Seminário fala do Terceiro Setor como ferramenta de desenvolvimento econômico e social
26/05/2019 11:21 Adolescente é morto a tiros no Bairro Industrial, em Aracaju 
Quatro homicídios foram registrados nas últimas 24 horas em Sergipe 
26/05/2019 10:42 Quatro vítimas fatais de acidentes foram registradas pelo IML de SE
Idoso morreu atropelado no município de Simão Dias