Sem perspectiva de reajuste, servidores de Sergipe podem deflagrar greve
Cotidiano 20/04/2017 10:55 - Atualizado em 20/04/2017 12:59

Por Fernanda Araujo

Esta semana, o secretário da Fazenda de Sergipe, Josué Modesto, sinalizou que o governo não deve dar reajuste salarial aos servidores estaduais este ano, alegando  falta de recursos. A notícia foi recebida debaixo de críticas. O sindicato que representa a categoria considera que a medida tenta desestabilizar os servidores públicos.

“Ele (o governo) não pode continuar com esse discurso de crise, dizendo que não há dinheiro para pagar, com todo esse discurso que a gente já conhece. Se existisse crise de fato, ele cortaria algumas mordomias, a exemplo do grande número de cargos comissionados que estão ainda na folha do Estado”, contesta o presidente do Sintrase, Diego Araujo.

O sindicalista afirma ainda que desde o início deste ano tenta uma audiência com o Governo do Estado para tratar das reivindicações, mas até o momento não houve resposta. O sindicato aponta que a última revisão salarial foi feita em 2012 e o salário está defasado em 31%. Diego Araujo adianta que pode ser deflagrada greve a partir de maio.

“Estamos esperando até o final da próxima semana. Até o final do mês, se não marcar audiência, vamos convocar assembleia com indicativo de greve. A ideia é paralisar as atividades para que o governo venha responder”, diz.

A Secretaria da Fazenda garante não haver qualquer possibilidade de reajuste, por conta das restrições orçamentárias. Segundo o secretário, ao lado das despesas que o impossibilitam, há o crescimento da Previdência com pensionistas e inativos. Apesar de considerar que os servidores irão sofrer sem o reajuste, Josué Modesto lembra que sofre também o custeio e o investimento feito pelo Estado que, segundo ele, tem cumprido a Lei de Responsabilidade Fiscal com sacrifício, em meio à falta de receitas.

“Não temos capacidade de reajustes, infelizmente, e isso é compreensível nesse quadro de recessão, de contração das receitas. Os números falam por si, todos gostaríamos que a realidade fosse mudada, mas ela não se concretiza tão rapidamente, há sinais tênues de recuperação da economia”, afirmou Josué.

Mais Notícias de Cotidiano
20/06/2018 16:05 Deso oferece agendamento de serviços no Ceac Riomar
20/06/2018 14:30 População continua sofrendo com falta de estrutura no Coqueiral
Chuvas acentuam transtornos que moradores enfrentam há mais de cinco anos
20/06/2018 13:37 Hospitais regionais e da capital terão segurança reforçada
20/06/2018 13:02 Governo de Sergipe autoriza PSS para a Educação
Ao todo são 403 vagas para professor, merendeiro e para o Projovem Urbano
20/06/2018 12:25 Técnicos avaliam condições da BR 235 para duplicação
Concessão de trecho da rodovia em Sergipe deve ser formalizada até 2019