Incra reconhece famílias quilombolas de comunidade em Sergipe
Cotidiano 20/11/2017 11:00 - Atualizado em 20/11/2017 11:07

Por F5 News

O Dia da Consciência Negra, comemorado nesta segunda-feira (20) em todo o país, será de festa para 185 famílias da comunidade Mocambo, no município de Porto da Folha, no alto sertão de Sergipe. Uma portaria do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, publicada hoje no Diário Oficial da União, reconhece as famílias como pertencentes ao Território Quilombola Mocambo.

De acordo com a portaria, o reconhecimento permite que elas tenham acesso às políticas do Plano Nacional de Reforma Agrária (PNRA), que prevê “melhor distribuição de terra mediante modificações no regime de posse e uso, a fim de atender aos princípios de justiça social, desenvolvimento rural sustentável, aumento de produção e promoção social”.

O quilombo remonta ao século XVI, formado por negros oriundos de Pernambuco e Vale do Cotinguiba, remanescentes dos grupos Bantu e Sudanês devido ao porte físico. Mocambo foi a primeira comunidade quilombola de Sergipe reconhecida oficialmente pela Fundação Cultural Palmares (FCP).

Em novembro de 2009, a área onde vive a comunidade, às margens do rio São Francisco, foi decretada pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva como de interesse público para a consolidação de um território quilombola.

Foto: reprodução facebook Comunidade Mocambo

Mais Notícias de Cotidiano
17/08/2018 06:48 Idoso morre vítima de picada de cobra na cidade de Propriá (SE)
Ele chegou a ser encaminhado para uma unidade hospitalar, mas não resistiu
16/08/2018 18:30 Bloqueio de rua prejudica atendimento de usuários no Ciras
Por semana, o Centro de Integração Raio do Sol presta assistência a 600 pessoas com deficiência
16/08/2018 18:05 Novas decisões judiciais tumultuam concurso para soldado da PM
Governo diz que vai recorrer de todas as decisões e data do TAF está mantida
16/08/2018 17:25 Suspeito morre em confronto com a PM na zona de expansão
16/08/2018 15:30 Transporte escolar: fraude em licitações gerou sobrepreço de R$ 75 milhões
Doze empresas são acusadas de fraudar contratos celebrados com a Secretaria da Educação de SE