Pagamento de gratificações motiva punição do TCE a ex-prefeito de Umbaúba
Relatório da Coordenadoria de Controle e Inspeção (CCI) apontou dano ao erário em mais de 700 mil
Política| Por Tribunal de Contas de Sergipe 10/10/2018 16:50 - Atualizado em 11/10/2018 07:19

O pagamento de gratificações sem base legal a servidores efetivos e comissionados, no município de Umbaúba, de janeiro a dezembro de 2014, levou o Tribunal de Contas do Estado (TCE/SE) a decidir pela irregularidade das contas do município nesse período.

Conforme foi apurado pela 3ª Coordenadoria de Controle e Inspeção (CCI), no período inspecionado houve um dano ao erário no montante de R$798.406,41, causado pelas seguintes irregularidades: concessão de parcela remuneratória "FGM" sem amparo legal (R$249.563,02); gratificação de desempenho e de tempo integral pagas indevidamente a servidores comissionados (R$538.521,67); e concessão de função gratificada de coordenador pedagógico (R$10.321,72), embora já extinta.

No relatório foram constatados ainda duodécimos repassados a maior, contratação com preço acima do que foi orçado no Pregão Presencial n. 17/2014, e o descumprimento do limite de despesas com pessoal estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). 

Relator do processo, o conselheiro Luiz Augusto Ribeiro acolheu opinamentos da 3ª CCI e do procurador José Sérgio Monte Alegre, presente na sessão, votando pela imputação em débito ao gestor responsável, no montante de R$816.424,53. Inicialmente, seu voto havia sido pela instauração de tomada de contas para que, em procedimentos, fosse verificada a boa-fé dos beneficiários.

O relator ainda acatou em parte o voto divergente do conselheiro-substituto Rafael Fonsêca, elevando valor da multa de R$20mil para R$50mil. Em seu voto vencido, Fonsêca se posicionou pela exclusão da glosa, por entender que o ex-gestor não foi o beneficiário dos valores. "A multa ao gestor, que é a maior possível, no meu entendimento, é o suficiente, uma vez que os servidores trabalharam e, em recebendo de boa-fé, não cabe devolução"​, opinou.

Já o conselheiro Clóvis Barbosa, também presente na sessão, seguiu na íntegra o voto do relator, ao avaliar que o erário deve ser ressarcido.

 

Mais Notícias de Política
18/02/2019 19:13 Bolsonaro demite Gustavo Bebianno do cargo de ministro
18/02/2019 18:35 Fechamento de matadouros será tema de audiência pública na Alese
18/02/2019 17:02 Assembleia Legislativa de Sergipe realiza primeira sessão plenária do ano
Na nova composição, 12 deputados são estreantes, uma renovação de 50%
18/02/2019 13:39 Renúncias fiscais podem passar a ter prazo definido, prevê projeto do Senado
Grande parte das concessões, segundo a senadora Maria do Carmo, é permanente
18/02/2019 07:24 Reforma da Previdência será enviada ao Congresso na quarta
Bolsonaro fará pronunciamento para explicar proposta