Laércio comemora aprovação de novo marco legal sobre licitações
Segundo o deputado federal, o dispositivo visa combater a corrupção
Política 06/12/2018 09:50 - Atualizado em 06/12/2018 10:06

O deputado federal Laércio Oliveira é vice-presidente da Comissão especial da lei de Licitações que aprovou nesta quarta-feira (5), o seu relatório. De acordo com Laércio, o texto aprovado visa combater a corrupção; o excesso de burocracia; as interrupções das obras e dos serviços, além de dar maior agilidade ao processo de licitação, como um todo. O relatório atual dá total autonomia à administração pública para conduzir a licitação.

A lei atual deixa claro que a licitação não será sigilosa, sendo públicos e acessíveis os atos de seu procedimento. A exceção fica por conta do conteúdo das propostas realizadas pelos concorrentes, até a apresentação.  O texto do projeto aprovado na Comissão estabelece que os atos são públicos, mas faz uma ressalva mais genérica, para "as informações cujo sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado, na forma da lei”. A proposta permite, por exemplo, que o orçamento estimado pela Administração Pública seja sigiloso, "havendo motivos relevantes devidamente justificados". Mas este sigilo não vai valer para órgãos de controle interno e externo.

Sobre punição por fraudes, a lei atual estabelece pena de 3 a 6 anos para quem fraudar licitações. A proposta em discussão amplia a pena, para 4 a 8 anos de prisão. Se houver sobrepreço ou superfaturamento, a pena passa a ser de 4 a 12 anos de prisão.

Obras paradas

O projeto de lei proíbe a administração pública de retardar sem motivos a execução de obra e serviço. Se ocorrer paralisação ou suspensão do contrato, será elaborado um aviso de obra paralisada, a ser colocada no local onde o serviço está ocorrendo, informando a data prevista para o empreendimento ser retomado.

Com aprovação, projeto seguirá para o plenário da Câmara e, depois, para o Senado.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa

Mais Notícias de Política
16/12/2018 11:00 Bolsonaro diz que pena de morte não será debatida em seu governo
Na Constituição vedação à pena de morte é cláusula pétrea, que não pode ser mudada
15/12/2018 13:58 STJ nega retorno de Valmir Monteiro à Prefeitura de Lagarto
Prefeito afastado afirma que cumpre decisão, mas buscará meios para reassumir o cargo
15/12/2018 09:40 Laércio e Russomanno discutem aumento de taxas caso Cadastro Positivo não mude
Texto foi aprovado no Plenário da Câmara, mas os destaques ainda não foram votados
15/12/2018 08:00 Ana Lula avalia 16 anos como deputada e se despede da política
"Minha trajetória tem um projeto político estratégico que é de uma sociedade solidária", diz deputada
14/12/2018 16:55 TCE encontra irregularidades na folha de pagamento de Tobias Barreto
Gestor tem 10 dias para instaurar sindicância para apurar acúmulo indevido de cargos públicos