(79) 99659-0055
Cotidiano / Saúde
06/11/2017 13:57:00- Atualizado em 07/11/2017 06:42:49
Sem previsão de repasse, hospitais filantrópicos de Aracaju ameaçam parar

Por Fernanda Araujo

Com o atendimento comprometido e ainda sem perspectiva de pagamento dos repasses atrasados da Prefeitura de Aracaju, os três hospitais filantrópicos que prestam serviço para o Sistema Único de Saúde na capital sergipana podem suspender os serviços. A direção das unidades se reuniu nesta segunda-feira (6) para discutir o assunto e decidiu manter as atividades conforme situação financeira de cada hospital.

O Município chegou a fazer um acordo com os hospitais para a regularização dos repasses que estavam atrasados, quando seria depositada a primeira parcela até o final do mês passado. Porém, a prefeitura não conseguiu cumprir o acordo, segundo a administração, por dificuldades financeiras.

As finanças no hospital São José seguem abaladas, segundo sua assessoria jurídica. A advogada da unidade, Carolina Teixeira, afirma que o hospital está com dificuldades em manter o atendimento e o pagamento de fornecedores. “As dívidas permanecem, a prefeitura permanece em silêncio, sem se manifestar com relação à previsão dos pagamentos”, critica Teixeira, que participou da reunião hoje com os diretores dos hospitais.

No Hospital Cirurgia os anestesiologistas permanecem paralisados e os procedimentos cirúrgicos suspensos desde a última quarta-feira (1). O atendimento também foi interrompido para novos pacientes. “Não estamos recebendo transferências do SUS, nem fazendo novos internamentos. Não há condição de receber novos pacientes”, informa a assessoria de comunicação, acrescentando que são mais de R$ 2 milhões em atraso.

O Santa Isabel também enfrenta dificuldades. Segundo a assessoria, são cerca de R$ 5,7 milhões em dívida, dos fundos Estadual e Municipal de Saúde. A maternidade realiza cerca de 30 partos por dia.

“O hospital e maternidade continuarão mantendo os serviços até onde tenham condições de manter os recursos. A partir do momento que os insumos acabarem e não tivermos condições de fazer o pagamento aos prestadores, não teremos condições de atender a população e iremos fechar as portas. Sem os materiais e insumos necessários não teremos como prestar atendimento com segurança e qualidade”, diz a assessoria, acrescentando que sexta passada foi enviado ofício para o Estado, Município e Ministério Público solicitando novo posicionamento.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, a prefeitura ainda não tem previsão para o pagamento e, diante da queda de recursos federais, a prioridade é com o pagamento de pessoal e o abastecimento das unidades básicas de saúde com medicamentos. “A secretaria está correndo atrás para poder quitar da maneira melhor e mais rápida possível”, afirma a assessoria da pasta.

Notícias em Sergipe
Outras notícias sobre Cotidiano
ColunistasVer todos
Mais Entretenimento
Notícias em Sergipe
Notícias em Sergipe
Notícias em Sergipe
Notícias em Sergipe
Notícias em Sergipe
F5 News - © 2016.
criação de site