Marcio Rocha
18/12/2017 12:37:00
Carga roubada, pirataria e contrabando financiam crime organizado

Comprar produto de carga roubada só serve para alimentar o tráfico de drogas, o crime organizado, financiar a matança generalizada que acontece no cotidiano, alavancar a violência que coloca a mim, você, todos nós atrás das grades e muros para nos proteger, retira a liberdade das pessoas, amplia o comércio ilegal, fortalece o contrabando, prejudica os serviços públicos com a falta de impostos arrecadados, além de muitos outros danos à economia.

 

Diga não ao produto irregular

Compre seus bens de consumo no comércio regular, na loja do centro, do shopping, do supermercado, enfim, do varejo que você conhece e pode confiar. Comprar no comércio é gerar emprego e renda para a população e estado, é dar dignidade para o trabalhador, é fazer circular as riquezas em seu próprio estado e município, é garantir o funcionamento dos serviços públicos, entre outras razões. Comprar no comércio é fazer todo o ciclo produtivo fluir, faz as pessoas crescerem e suas vidas melhorar. Diga não ao produto contrabandeado, não ao produto pirata, não à carga roubada!

 

Prejuízo de R$ 6.1 bilhões

Números divulgados pela Superintendência de Seguros Privados (Susep) indicam que um caminhão carregado foi roubado a cada 23 minutos no Brasil entre 2011 e 2016. No período, aconteceram 97.786 ocorrências de roubo de carga, gerando um prejuízo de 6.1 bilhões de reais. Somente em 2016 foram registradas 22.547 ocorrências de roubo de carga.

 

Varejo terá a primeira alta anual nas vendas desde 2013

O comércio varejista deve ter um aumento nas vendas de 3,7%, segundo projeção da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), com base nos dados da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) de outubro, divulgada pelo IBGE. Se confirmada a previsão, esta será a primeira alta do varejo desde 2013.

 

Resgate do emprego

Em outubro, os dez segmentos que compõem o varejo ampliado tiveram queda de 1,4% em relação ao mês anterior. No entanto, esse fraco desempenho não deve impedir que as vendas fechem o ano de 2017 com alta.  “A inflação baixa, o espaço para cortes nos juros e o resgate gradual do mercado de trabalho deverão proporcionar ao varejo seu primeiro aumento de vendas em quatro anos”, afirmou o chefe da Divisão Econômica da CNC, Fabio Bentes.

 

PIB Brasileiro deve crescer 1% neste ano

Anteriormente, a projeção dos analistas ouvidos no Boletim Focus, do Banco Central, era de crescimento de 0,5% no ano. Pesquisa feita segunda-feira com analistas de mercado aponta agora para um crescimento de 1% no ano, na média. Em setembro, essa média estava em 0,6%. A perda de ritmo de crescimento ao longo do ano (de 1,3% para 0,7% e, agora, 0,1%) se deveu em grande parte ao desempenho da agropecuária, cujo avanço foi concentrado no primeiro semestre, no terceiro trimestre, caiu 3%. Isso ocorre porque as principais safras do País, como soja e milho, são colhidas na primeira metade do ano.

 

Propulsor

A volta dos consumidores às compras foi o grande propulsor do crescimento econômico no terceiro trimestre do ano. O consumo das famílias cresceu 1,2% em relação ao segundo trimestre do ano, segundo o IBGE. Foi a terceira alta seguida. O arrefecimento da inflação, a queda na taxa de juros e a melhora do mercado de trabalho, com geração de vagas elevando a massa de salários em circulação no País, estão entre os principais fatores que animaram as pessoas a gastarem mais.

 

Mais do Colunista Marcio Rocha:
Colunista Marcio Rocha
Marcio Rocha
Marcio Rocha é jornalista formado pela UNIT e radialista formado pela UFS, especializado em economia, com experiência de quase 20 anos na comunicação sergipana.

 

O conteúdo desta publicação é de responsabilidade do colunista.

Notícias em Sergipe
Notícias em Sergipe
Notícias em Sergipe
Notícias em Sergipe
Notícias em Sergipe
F5 News - © 2016.
criação de site