Marcio Rocha
25/10/2017 15:40:00
FGV: confiança do consumidor subiu em outubro

A confiança do consumidor subiu novamente em outubro e voltou ao nível  anterior ao agravamento da crise política em maio, com a delação da JBS. O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) repetiu em outubro a alta de 1,4 ponto registrada em setembro e chegou a 83,7 pontos, maior nível desde março de 2017 (85,3). De acordo com a Fundação Getúlio Vargas, o indicador avançou 3,8 pontos quando comparado a outubro de 2016. A FGV atribui o avanço na confiança do consumidor a uma recuperação mais consistente da economia.

 

Presidente do TST garante que nova lei trabalhista será cumprida

Presidente do Tribunal Superior do Trabalho, o ministro Ives Gandra Filho chama de "suicídio institucional" a reação de juízes, procuradores e fiscais do Trabalho às mudanças promovidas pela reforma trabalhista. A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) publicou 125 enunciados declarando a suposta inconstitucionalidade de artigos da Lei 13.467 e incentivando o não cumprimento da nova legislação. "A Anamatra já fez outras jornadas com enunciados que nunca nos influenciaram aqui no TST", disse Gandra ao Valor Econômico Ele afirma que os enunciados foram aprovados por uma "minoria" de juízes "que faz muito estardalhaço". "A lei será cumprida", garantiu, advertindo para o risco de o Congresso extinguir a Justiça do Trabalho. 

 

Brasileiros do Senai e Senac massacram rivais em competição mundial

Quando o assunto é desempenho de profissões técnicas, é o Brasil quem ganha de diversos países por 7 a 1, promovendo um verdadeiro massacre de alta qualidade educacional. Confirmando a qualidade do ensino do Sistema S, a exemplo do Senac e Senai e do trabalho desenvolvido em diversos ramos, os brasileiros conquistaram 7 medalhas de ouro, 5 de prata e 3 de bronze, além de 26 certificados de excelência, na WorldSkills 2017, maior competição de modalidades que correspondem às profissões técnicas da indústria e do setor de serviços. As vitórias garantiram o segundo lugar no torneio finalizado quarta-feira em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes. Realizada entre os dias 15 e 18 deste mês, a WorldSkills reuniu 1.256 jovens de 68 países em 52 ocupações técnicas. A delegação brasileira contou com 56 pessoas, composta por alunos do Senai e Senac. Os competidores são estudantes de cursos de educação profissional de até 23 anos de idade no ano em que se realiza o torneio. Em Abu Dhabi, eles formaram a equipe que ganhou o nome Top One, que concorreu em 50 modalidades.

 

Setor terciário volta a gerar empregos em Sergipe

Após sofrer com os rebates da crise econômica em todo o país, o setor terciário voltou a gerar vagas de emprego para a população sergipana. Na última análise do Ministério do Trabalho, os subsetores de comércio e serviços em Sergipe apontaram crescimento de postos de trabalho com carteira assinada. Os números são relacionados ao mês de setembro. A atividade de serviços de utilidade pública cresceu em 25 novas oportunidades de trabalho. O setor de serviços apontou um crescimento de 33 novas vagas. Já o comércio inicia sua temporada de contratações antes mesmo do esperado, que seria no mês de outubro, com crescimento de 272 postos de trabalho em setembro. Os números são o reflexo da confiança dos empresários no momento econômico, que sinaliza melhora para os próximos meses, seguindo o ritmo ascendente.

 

Recuperação

O presidente do Sistema Fecomércio, o deputado federal Laércio Oliveira, manifestou muito ânimo com os resultados antecipados de contratações nos setores e destacou que, principalmente as atividades relacionadas aos serviços estão com saldo positivo durante todo o ano. “Os números são animadores e refletem a confiança no melhor momento econômico que estamos vivendo, diante dos últimos dois anos que foram sofríveis para todo o setor produtivo. Ressalto que somadas, as atividades de serviços em todas suas esferas estão com saldo positivo de 1.113 novas oportunidades de trabalho. O comércio começa a apontar uma recuperação que nos anima para o final do ano, pois está chegando a melhor temporada de vendas para as empresas. Então são números que devemos comemorar. Em nível nacional, já são seis meses seguidos com crescimento do emprego, com mais de 208 mil novos postos de trabalho. Estamos deixando a crise para trás”, ressaltou.

 

Saques do PIS/Pasep podem canalizar R$ 5 bilhões para o varejo

A Agência Brasil informa que governo libera hoje os saques do PIS e do Pasep para idosos com mais de 70 anos. Nesta primeira fase do programa, a expectativa da Caixa Econômica Federal é de que 3,6 milhões de pessoas sejam beneficiadas. A partir do dia 17 de novembro, os pagamentos começam a ser feitos para aposentados. Em dezembro, os saques também serão autorizados para mulheres a partir de 62 anos e para homens a partir dos 65. Não há data limite para que o dinheiro seja retirado e os beneficiários que ainda não atingiram a idade mínima poderão aguardar o aniversário para sacar. O chefe da Divisão Econômica da CNC, Fabio Bentes, avaliou que o impacto será ainda melhor do que o das contas inativas do FGTS: “o setor de comércio deve se beneficiar mais com o PIS/Pasep do que com o FGTS. A gente estima que de R$ 16 bilhões, talvez mais de R$ 5 bilhões acabem chegando no varejo”. Bentes ressaltou que muitos consumidores devem utilizar os recursos do PIS e do Pasep para quitar dívidas.

 

Formalização de autônomos cresceu mais de 10% em dois anos

Apesar de a recessão ter inchado o grupo dos trabalhadores sem carteira assinada, entre os autônomos e empregadores a formalização deu um salto de 2014 a 2016. Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgados ontem pelo IBGE, mostram que cresceu mais de 10% o número de contas próprias ou empreendimentos registrados no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) nesse período. Enquanto entre 2014 e 2016 o número de trabalhadores por conta própria subiu 5%, os com CNPJ cresceram 14%, e os informais, 6%. Já a quantidade de empregadores nesse mesmo período cresceu 11%, sendo que o aumento de formais foi de 12% e o de informais, apenas 5,8%. Para Adriana Beringuy, técnica da Coordenação de Trabalho e Rendimento do IBGE, o salto é reflexo, em grande parte, da entrada em vigor, em 2009, da lei que criou o Microempreendedor Individual (MEI) e facilitou a formalização de profissionais de mais de 200 tipos de ocupações.

 

Prévia do PIB recua 0,38%, mas não muda tendência de recuperação

Após dois meses seguidos de alta, o IBC-Br, indicador divulgado pelo BC e conhecido como “prévia do PIB”, registrou queda de 0,38% em agosto na comparação com o mês anterior. O recuo, no entanto, não muda a tendência de recuperação da economia brasileira, na avaliação de economistas. Indicadores do mês de setembro, já conhecidos, e que também servem como termômetro do ritmo de atividade, mostram que a trajetória de retomada continua e que a queda de agosto foi um soluço. Em setembro a produção de veículos cresceu 3,9% em relação a agosto. O fluxo de cargas pesadas nas rodovias aumentou 0,7% no mesmo período. E as vendas do comércio varejista tiveram desempenho positivo, apesar da retração de 1,1% na expedição de papelão ondulado. No mês passado, a receita de vendas do comércio varejista brasileiro apresentou crescimento de 2,4%, em comparação com o mesmo período de 2016, descontada a inflação, segundo o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA), que considera as vendas de veículos e materiais de construção. Dados preliminares da Associação Comercial de São Paulo de outubro mostram que o movimento do varejo na cidade de São Paulo continua positivo este mês e aumentou 3% em relação a igual período de 2016. Um termômetro ainda mais abrangente é o Indicador Antecedente Composto da Economia (Iace), do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getúlio Vargas. Ele reúne oito índices, entre indicadores da economia real, do mercado financeiro, do mercado de ações e comércio exterior. Em setembro, o Iace subiu 1,8% ante agosto, na terceira alta mensal seguida.

 

Salários voltam a ter aumento real após três semestres de perdas

Levantamento do Dieese mostra que as negociações salariais voltaram a ficar positivas no primeiro semestre deste ano, após três semestres seguidos de perdas nos ganhos dos trabalhadores. A variação real média dos reajustes de janeiro a julho de 2017 foi de 0,32%. Cerca de 60% das negociações salariais conquistaram aumento real. O principal fator nesse movimento ainda é a inflação baixa, que ajudou nas negociações: “O que chama a atenção é a interrupção da trajetória que começou em 2015 e se aprofundou em 2016. A retomada se deve à queda da inflação anual, que chegou a bater 11% em 2016 e agora está em 1,71%. O segundo fator é que os indicadores apontam que já chegamos ao fundo do poço. É um cenário menos ruim para as negociações do que se viu em 2016”, explicou José Silvestre, coordenador de Relações Sindicais do Dieese. No primeiro semestre, apenas 10% tiveram perdas. Esse resultado de 60% de convenções com ganhos reais foi a média do semestre. Ao se comparar mês a mês, a situação é mais positiva nas negociações recentes: em janeiro, foram 42% acima da inflação; em junho, esse percentual subiu para 80% e não houve acordos com perda salarial, segundo Silvestre.

 

 

Mais do Colunista Marcio Rocha:
Colunista Marcio Rocha
Marcio Rocha
Marcio Rocha é jornalista formado pela UNIT e radialista formado pela UFS, especializado em economia, com experiência de quase 20 anos na comunicação sergipana.

 

O conteúdo desta publicação é de responsabilidade do colunista.

Notícias em Sergipe
Notícias em Sergipe
Notícias em Sergipe
Notícias em Sergipe
Notícias em Sergipe
F5 News - © 2016.
criação de site