Inflação desacelera em julho com queda dos alimentos em Aracaju
Indicador ajudará o Banco Central a não mexer na taxa básica de juros
Economia| Por F5 News 09/08/2018 14:15 - Atualizado em 09/08/2018 14:50

A inflação em Aracaju desacelerou em julho com perda de força da pressão provocada pela greve dos caminhoneiros. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) caiu 0,06 por cento no mês passado, após alta de 1,31 por cento em junho, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o IBGE, os grupos de vestuário e alimentação tiveram deflação de -1,64% e -0,85% em julho na capital sergipana, respectivamente. Um dos destaques foi para os legumes, que ficaram 21% mais barato, seguidos das verduras (-7,77%), carnes (-3,57%) e frutas (-2,85%).

Em Aracaju, conforme o levantamento, produtos que tiveram alta no mês de junho por conta da greve dos caminhoneiros, apresentaram quedas acentuadas em julho. O preço do tomate caiu 26,49%, o da cebola 26,47%, o da batata-inglesa 24,15%, o da cenoura 20,73%, e o do maracujá, 14,98%.

Como o indicador nacional também desacelerou, especialistas acreditam que ajudará o Banco Central a não mexer na taxa básica de juros tão cedo. Na semana passada, o BC deixou a Selic na mínima de 6,50 por cento pela terceira reunião seguida e sugeriu que não deve elevá-la por enquanto.

Mais Notícias de Economia
10/12/2018 18:00 Em Sergipe, mais de quatro mil declarações do IR caíram na malha fina
Saiba o que fazer para resolver a situação junto à Receita Federal
10/12/2018 14:36 Setor agropecuário pede maior investimento na área em Sergipe
Investimento tecnológico é visto como principal necessidade da agricultura sergipana
10/12/2018 08:04 Receita libera consulta a sétimo lote de restituição do IR 2018
07/12/2018 09:13 Passageiros e Setransp ficam insatisfeitos com reajuste da tarifa de ônibus
A partir do domingo (9), a passagem passa a custar R$ 4 na região metropolitana
07/12/2018 08:53 Inflação fica negativa em 0,21%; é a menor taxa para novembro desde 94
Queda de preços beneficia consumidores. Em 12 meses, inflação acumula 4,05%