Indicadores do mercado de trabalho da FGV mostram melhora em janeiro
O indicador chegou ao maior patamar desde abril de 2018
Economia| Por Agência Brasil 07/02/2019 08:23

Os dois indicadores de mercado de trabalho da Fundação Getulio Vargas (FGV) tiveram melhoras de dezembro de 2018 para janeiro deste ano. O Indicador Antecedente de Emprego (Iaemp), que busca antecipar tendências futuras com base em entrevistas com consumidores e empresários da indústria e dos serviços, avançou 4,1 pontos.

Com a alta, o indicador chegou a 101,1 pontos em uma escala de zero a 200, o maior patamar desde abril de 2018.

Segundo o economista da FGV Rodolpho Tobler, os resultados positivos nos últimos meses sinalizam uma retomada da recuperação do mercado de trabalho. De acordo com ele, no entanto, é preciso “certa cautela” já que o indicador recuperou apenas pouco mais da metade da queda observada em 2018.

O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD), que busca refletir a percepção dos consumidores sobre a situação do desemprego atual, recuou 4,4 pontos em janeiro. Com isso, o indicador caiu para 94,5 pontos, em uma escala de zero a 200, em que quanto menor o resultado, melhor é a percepção do cidadão. Tobler explica que apesar da queda, o ICD ainda está em patamar elevado.

Mais Notícias de Economia
25/04/2019 18:49 Veja calendário de pagamento da primeira parcela do décimo de servidores de Aracaju
Aniversariantes de janeiro e fevereiro terão valores creditados nas contas no próximo dia 30
25/04/2019 18:39 Em dez anos, Sergipe deve economizar R$ 4,03 bilhões com Reforma
No país, a economia prevista pelo governo pode chegar a R$ 1,24 trilhão
25/04/2019 18:30 Jucese prorroga prazo para que empresas mantenham registro regular
Empresários têm até 31 de maio para comunicar funcionamento ou suspensão das atividades
25/04/2019 14:51 Crise da Avianca coloca preço das passagens aéreas nas alturas
Em Aracaju, quase 30 voos da companhia estão cancelados até o final de abril
25/04/2019 13:31 Bancos compartilharão dados de clientes com integração de plataformas
Open banking: dados pertencem aos clientes e não às instituições financeiras