Diego da Costa
19/02/2018 10:19:00
A importância da administração do tempo para o profissional de vendas

Na área de vendas, frequentemente não há um controle rígido sobre o trabalho desenvolvido. Claro que isso acontece nos vários segmentos de trabalho onde as pessoas negligenciam a administração de seu próprio tempo e não tomam consciência de sua importância. Parando-se um pouco para verificar as questões relativas ao tema, é possível identificar diversas disfunções. Questões como tempo dispendido em tarefas burocráticas dentro da empresa, determinação da quantidade de clientes a serem visitados, critérios de seleção, possibilidade de retorno efetivo ou potencial, tudo isso envolve administração do tempo.

Planejamento é talvez o fator preponderante, assim como o respeito ao tempo do cliente com visitas marcadas e confirmadas por telefone ou e-mail e identificação dos melhores dias para fazer contatos. A duração da visita deve ser clara para o cliente, com plano de ação cuidadoso sobre o que vai ser dito, seus objetivos, atividades e expectativas de resultados.

A organização da agenda é muito importante para atingir as metas estabelecidas. Deve haver a conscientização sobre o controle do tempo e seu planejamento, a procura da redução de custos, a satisfação de se conseguir fazer o que foi planejado dentro do tempo previsto e a adoção do sábio ditado popular: “não deixe para amanhã o que se pode fazer hoje”.

A procrastinação é a maior inimiga da utilização racional do tempo. Portanto, é fundamental questionar-se sempre sobre a maneira mais interessante e viável para aproveitar o tempo e utilizá-lo de forma racional e produtiva. Lembre sempre: "Seu jeito é o jeito certo."

 

[ CFA ] NOTA OFICIAL - A intervenção no Estado do Rio de Janeiro

 

Nós, Administradores, ficamos aliviados com a decisão do Governo Federal de decretar a intervenção na área da Segurança Pública do estado do Rio de Janeiro, em decorrência da escalada de violência e da incapacidade das organizações de segurança pública em controlarem tal situação assustadora.

Diante da inércia do Governo Estadual, algo urgente e ousado precisava ser feito para mudar os rumos da situação no estado.

Entendemos que a intervenção decretada foi uma decisão necessária e imprescindível, na medida em que todos os sinais de ineficácia e ineficiência não foram suficientes para convencer os responsáveis pela segurança pública.

A falta de viaturas e coletes; delegacias em péssimas condições; paralisações frequentes no sistema de registro de ocorrências e aumento do número de mortes de policiais passaram a ser noticiados como se fossem o novo patamar de prestação de serviços na segurança pública.

A incerteza de se chegar ao trabalho ou à escola tornou-se foco de tensão e estresse generalizado em toda a população, independente de classe social, raça ou credo.

Tais evidências na área da segurança pública não eram reconhecidas pelas autoridades estaduais. O governo respondia com desculpas e a criação de inimigos fictícios, como se existisse uma conspiração contra a cúpula da segurança pública e do governo. E esses argumentos vinham sempre seguidos da situação de caos nas finanças do estado. Nada se falava dos gastos na segurança pública nos últimos dez anos, com aumentos de salários, escolhas erradas ou descontinuidade de projetos, desperdícios de recursos, etc.   

Para nós, Administradores, negar as dificuldades e evidências é o caminho para a ineficiência e ineficácia de qualquer sistema organizacional. É o fracasso anunciado dos resultados previstos.

Como Administradores, entendemos que a origem dos problemas na segurança pública se inicia na má gestão das organizações prestadoras de serviços de segurança pública – as organizações policiais.

A corrupção policial, o desvio de recursos, os desperdícios, a falta de racionalidade nos processos de trabalho, a burocracia excessiva, o processo inadequado de seleção e as ações mal planejadas são manifestações da mesma doença – a má gestão das organizações policiais. Estas disfunções demonstram uma cultura organizacional pouco comprometida com a melhoria dos resultados.

Assim, apoiamos a intervenção decretada pelo Governo Federal, mas não esperamos resultados mágicos ou espetaculares. Apenas alertamos para a necessidade imperiosa de se dar atenção especial e relevante para os problemas de gestão das organizações policiais, sob pena de se tornar apenas uma experiência corajosa, mas pouco eficaz.

Adm. Wagner Siqueira

Presidente do Conselho Federal de Administração

 

PENSAMENTO: “Errei mais de 9.000 cestas e perdi quase 300 jogos. Em 26 diferentes finais de partidas fui encarregado de jogar a bola que venceria o jogo e falhei. Eu tenho uma história repleta de falhas e fracassos em minha vida. E é exatamente por isso que sou um sucesso.” Michael Jordan

30/01/2018 14:11:00
Veículo elétrico: parte da revolução que vai mudar o mundo III

Este assunto foi encontrado no site www.novacana.com onde foi publicado artigo de Angus McCrone, editor-chefe da Bloomberg New Energy Finance e Michael Liebreich, presidente do Conselho da Bloomberg New Energy Finance, membro do Conselho de Transporte de Londres e um dos investidores da Chargepoint Inc., uma fornecedora de tecnologias para carregamento de carros elétricos. Eis a última parte do resumo. “Alguns setores que que podem ser atingidos já nos primeiros impactos: (1) Cadeia de fornecimentos automotivos - As empresas de carros representam a principal espécie em um ecossistema de fornecedores de serviços e tecnologia. Todos eles devem vivenciar uma ruptura com a mudança para os veículos elétricos e digitais. Aparecerão perdedores em toda essa enorme cadeia de suprimento, incluindo fabricantes de marchas, montadores de sistemas de combustível, fornecedores de sistemas de exaustão e catalisação e toda uma indústria associada de suprimentos e componentes... O uso de aço nos veículos elétricos irá cair, com os fabricantes buscando pela redução do peso para contrabalancear o efeito inevitável da solidez das baterias, motivando um uso maior de resinas, materiais compostos e aerogéis. (2) Redes de concessionárias e mecânicas - A expectativa é que o número de concessionárias, revendas e mecânicas também caiam ao longo das próximas décadas. Os veículos elétricos terão uma menor necessidades de manutenção, pois eles terão menos partes móveis, com apenas algumas vedações no motor elétrico, na direção e na suspenção... (3) Sistema de eletricidade - Uma grande frota ativa de veículos elétricos implica em um enorme potencial para a relação entre demanda e capacidade de resposta. (4) Empresas produtoras e exportadoras de petróleo - O lado da demanda adicional por eletricidade por causa dos veículos elétricos é, obviamente, a redução na demanda por petróleo em uma frota que, até o momento, é totalmente dependente de combustíveis líquidos. O fato é que, agora, existe uma nova tecnologia em escala competitiva para concorrer com os veículos a combustão interna. (5) Infraestrutura de estradas e pontos de carregamento - O aumento no número de veículos elétricos deve ser, obviamente, acompanhado por uma melhora na infraestrutura para carregamento. Enquanto isso, os postos de gasolina e diesel irão continuar em sua tendência de diminuição ao passo em que os veículos elétricos engolem suas demandas. (6) Cidades e mobilidade urbana - A alteração para a frota elétrica deve trazer mudanças em nosso ambiente físico. A mais óbvia delas será a construção dos pontos para carregamento. Cidade após cidade verá serem retirados seus parquímetros, que serão substituídos nas ruas por estações de carregamento. (7) Outros setores de transporte - A eletrificação do transporte não ficará restrita ao mercado de carros. Na verdade, já existem 200 milhões de bicicletas elétricas apenas na China e seu uso está se espalhando pelo mundo todo. (8) Economia mundial -  É provável que ocorra uma grande redução na quantidade de trabalhadores envolvidos com manutenção, reparo e, eventualmente, direção. Assim, o debate sobre projetos de renda garantida deve crescer se o setor de transporte começar a gerar milhões de desempregados pelo mundo mesmo em um contexto de crescimento econômico. A conferir!

 

I Reunião Plenária de 2018 acontece no CRA Sergipe

 

A diretoria do Conselho Regional de Administração (CRA-SE) se reuniu na manhã da quinta-feira, 18 de janeiro, para realizar a primeira Reunião Plenária do ano de 2018. Na ocasião, foram colocados em discussão aspectos referentes ao balanço orçamentário do ano anterior, ao recém-chegado Sistema Integrado de Fiscalização e Autoatendimento e aos projetos que serão desenvolvidos ao longo do ano corrente. SIFA - O presidente Adm. Sidney Vasconcelos, que participou de todos os dias de treinamento do sistema, apresentou de modo mais prático o SIFA para os conselheiros presentes. A reunião também foi uma oportunidade para que as novas carteirinhas dos registrados no CRA-SE, agora com chip, fossem devidamente entregues aos conselheiros. Fonte: CRA-SE com alterações

 

PENSAMENTO: “A vida não é triste. Tem horas tristes.” Romain Rolland

 

 

 

 

19/01/2018 16:16:00
Veículo elétrico: parte da revolução que vai mudar o mundo II

Este assunto foi encontrado no site www.novacana.com onde foi publicado artigo de Angus McCrone, editor-chefe da Bloomberg New Energy Finance e Michael Liebreich, presidente do Conselho da Bloomberg New Energy Finance, membro do Conselho de Transporte de Londres e um dos investidores da Chargepoint Inc., uma fornecedora de tecnologias para carregamento de carros elétricos. Continuamos com o resumo. “Um poderoso motivador para a ascensão dos veículos elétricos é que eles são uma plataforma muito superior para a direção autônoma, sistema de informação ou entretenimento para os passageiros e para tecnologias que transformam o transporte em um serviço. De forma simples, é possível dizer que o sistema de transporte está se digitalizando, assim como aconteceu com os telefones e com a rede energética, e que isso trará benefícios drásticos em termos de utilização de recursos (em outras palavras: custos), flexibilidade, níveis de serviço e limpeza. E simplesmente não faz sentido ter uma unidade de geração de energia análoga – que vibra, queima combustíveis líquidos e é altamente poluidora – no coração de um veículo totalmente digitalizado, repleto de sensores e controlado por um sólido sistema eletrônico... Boa parte da atenção da mídia está focada na Tesla Motors, o novo participante dessa corrida e que estacionou os carros elétricos de modo firme no gramado da indústria automobilística. A habilidade da Tesla em manter sua liderança inicial dependerá de seu contínuo acesso a capital barato, particularmente durante os próximos três anos, enquanto lida com a produção em escala de seu primeiro modelo para um mercado de massa. Quais companhias estão realmente comprometidas com os carros elétricos e quais estão simplesmente seguindo a onda? Quais estão apostando em veículos exclusivamente à bateria e quais estão buscando opções híbridas? Quais ainda estão esperando que as células de combustível a hidrogênio caiam do céu? ... A Dyson faz um bom aspirador de pó e tem um conhecimento mundialmente reconhecido sobre baterias e motores. Mas isso será suficiente para bater a GM, a Ford e a Toyota? A Faraday Future apresentou um batmóvel elétrico e a imprensa internacional adorou...Até mesmo o Google – embora ele pareça ter estabelecido uma posição forte nas tecnologias de inteligência artificial que irão definir as funcionalidades dos carros – dificilmente se descobrirá suficiente para assumir a liderança da indústria automobilística do futuro. A Volkswagen pretende gastar US$ 11,2 bilhões na próxima década com veículos elétricos – um compromisso que, segundo as expectativas da empresa, deve resultar em um aumento de 25% nas vendas de unidades de carros elétricos até 2025. Colocando em contexto: isso significaria chegar a 2,5 milhões de veículos vendidos por ano em menos de uma década... Nenhuma lista de potenciais impactos da transformação nos transportes está completa. No entanto, uma coisa é certa: nossas previsões sobre a ascensão dos veículos elétricos estão corretas. E nenhum segmento da economia global deixará de ser afetado, de uma maneira ou de outra.

 

Sistema Integrado de Autoatendimento e Fiscalização (SIFA) é implementado no CRA-SE

Sistema integra serviços administrativos e melhora a fiscalização no Conselho Regional de Administração de Sergipe (CRA-SE). O SIFA é mais um serviço que o Sistema CFA/CRAs oferece para o profissional de Administração e empresas registradas no CRA-SE. Ele integra todos os serviços administrativos do CRA-SE e otimiza a fiscalização. Permite, ainda, que o profissional efetue vários serviços pela internet. Com apenas um clique é possível emitir certidões, solicitar o registro profissional, atualizar cadastro, pagar anuidade entre outros. Para ter acesso é preciso entrar no site: https://sistemacrase.com.br/ O Profissional de Administração está pronto para acessar todos os serviços administrativos disponibilizados pelo CRA-SE. O SIFA veio para desburocratizar e facilitar a vida do profissional de Administração. Em qualquer lugar do mundo, por meio do celular, tablete ou um computador. Acesse os serviços do CRA-SE com conforto e tranquilidade. É o Sistema CFA/CRAs trabalhando para oferecer o que há de mais moderno em termos de sistemas integrados de informação. SIFA é excelência e velocidade no atendimento aos profissionais de Administração! CONFIRA os REGIONAIS que, além do CRA-SE, já possuem o serviço de Autoatendimento: Mato Grosso (CRA-MT), Maranhão (CRA-MA), Paraíba (CRA-PB), Rio de Janeiro (CRA-RJ), Paraná (CRA-PR), Ceará (CRA-CE), Amazonas (CRA-AM) e Distrito Federal (CRA-DF).

PENSAMENTO: “As pessoas felizes lembram o passado com gratidão, alegram-se com o presente e encaram o futuro sem medo.” Epicuro

12/01/2018 11:29:00
Veículo elétrico: parte da revolução que vai mudar o mundo

Dentre os assuntos que vão impactar a vida do profissional de administração e de todo ser humano, em futuro próximo, um tem destaque: veículo elétrico. Para trazer as ideias e informações a este espaço procuramos no site www.novacana.com essas novidades que nos fazem pensar sobre o futuro da humanidade. Ali encontramos um longo artigo de Angus McCrone, editor-chefe da Bloomberg New Energy Finance, e Michael Liebreich, presidente do Conselho da Bloomberg New Energy Finance, membro do Conselho de Transporte de Londres e um dos investidores da Chargepoint Inc., uma fornecedora de tecnologias para carregamento de carros elétricos.

A seguir um resumo: ”A mudança iminente para veículos elétricos e digitalmente conectados terá implicações dramáticas para o setor de transporte. Mas esta é só uma parte da revolução que afetará diversos segmentos... Uma das principais características de sistemas complexos, como os setores mundiais de energia e transporte, é que o processo de transformação vivenciado por eles tende a não ser linear... Uma segunda característica importante desse tipo de mudança de fase econômica é que, quando um grande setor se transforma, o resultado pode trazer consequências para toda a economia, gerando impactos em escala social. Estamos vendo esse efeito no setor elétrico neste momento. A rápida aceitação das energias renováveis pelo sistema energético não pode mais ser freada devido à redução de custos proporcionada pelas fontes eólicas e solares. Elas transformaram a forma como o mercado de energia funciona, tornando investimentos em outras fontes praticamente impossíveis; elas alteraram o paradigma do controle da rede baseado em cargas e picos para um de previsão e equilíbrio; elas mudaram o fluxo de investimentos, que passou dos sistemas de energia para os fornecedores de tecnologia; elas forçaram uma digitalização acelerada de todos os equipamentos. E elas também estão mudando a maneira como os prédios são projetados, os funcionários do setor de construção são treinados e as infraestruturas são financiadas.”

 

CRA Sergipe recebe o SIFA

O SIFA promete facilitar atividades do Administrador no Conselho. O Conselho Regional de Administração de Sergipe (CRA-SE) lançou o Sistema Integrado de Fiscalização e Autoatendimento, uma iniciativa do Conselho Federal de Administração (CFA) que objetiva promover a integração do Sistema CFA/CRAs por meio de ferramentas de tecnologias online. O lançamento ocorreu na última quarta-feira, 10, às 19h, no Auditório do CRA-SE. Estiveram presentes na cerimônia membros do CRA Sergipe e do CFA, como o presidente Adm. Wagner Siqueira e o diretor de Fiscalização e Registro, Adm. Marcos Kalebbe. O SIFA pretende integrar todos os serviços administrativos do Conselho Regional de Administração e tornar ainda mais precisa a fiscalização. Permite, ainda, que o profissional efetue vários serviços de forma simples através da internet. No CRA-SE, o SIFA já está em funcionamento. O CRA Sergipe é a nona unidade a receber o SIFA. Confira os CRAs que já estão com o sistema implantado: Mato Grosso (CRA-MT), Maranhão (CRA-MA), Paraíba (CRA-PB), Rio de Janeiro (CRA-RJ), Paraná (CRA-PR), Ceará (CRA-CE), Amazonas (CRA-AM) e Distrito Federal (CRA-DF). Fonte: CRA-SE

CRA-SE: Administradora é a primeira a fazer o registro profissional através do Autoatendimento do SIFA

A manhã da quinta-feira, 04 de janeiro, foi marcada por grande evolução no CRA-SE. Foi realizado pela primeira vez um registro profissional de um profissional de Administração através do Sistema Integrado de Fiscalização e Autoatendimento, o SIFA. Uma Administradora realizou com sucesso o procedimento e agora já é considerada uma profissional registrada no CRA-SE. Com inauguração marcada para o dia 10 de janeiro, às 19h, o SIFA já vem sendo utilizado no Conselho de Administração em Sergipe. Foi o caso da Adm. Vanessa Andrade Santos, que se dirigiu à sede do CRA-SE para tirar dúvidas a respeito da atualização cadastral, e acabou já garantindo o seu registro profissional de forma rápida e eficaz. Fonte: CRA-SE com alterações

 

PENSAMENTO: “A melhor maneira de conseguir respostas melhores é começar fazendo perguntas melhores.” Tony Robbins

01/01/2018 08:37:00
ANO NOVO, novas esperanças e oportunidades

Contagem regressiva. Ano novo chegando. Balanço geral. Expectativas sobre o que virá. Cada pessoa tem um sentimento sobre o ano que passou e o que se inicia. Afinal de contas, “seu jeito é o jeito certo.” Para este, 2018, há uma palavra recorrente, que todos desejam que se concretize: MUDANÇA. Claro que há muitas incertezas e, também, muitas oportunidades. Para o profissional de administração continuarão os desafios de atuar nos mais diversos segmentos da profissão com dedicação, seriedade, persistência sempre buscando contribuir para seu crescimento social, de sua família e de seu País. Ano Novo é oportunidade de renovar esperanças, fazer e refazer planos, analisar o que foi feito, manter a trajetória ou corrigir os equívocos. O ano de 2018 será um ano singular pois haverá a eleição para presidente República (além de senadores, deputados federais, deputados estaduais e distritais). Os grandes temas que interferem diretamente na vida de cada cidadão serão objeto de calorosas discussões. As turbulências acontecidas nos últimos anos poderão dar ao eleitor a sensação de desilusão, de que tudo está perdido, enfim, de que não vale a pena votar, participar. Mas aqui cabe a frase mágica: “a esperança é o último sentimento que morre” e nós, brasileiras e brasileiros, não podemos nos deixar abater. Vamos acender a chama da ESPERANÇA. No âmbito do Conselho Federal de Administração, como representante do estado de Sergipe, procuramos atuar em consonância com os anseios e expectativas do corpo de administradores que são filiados ao Conselho Regional de Administração de Sergipe (CRA-SE) e, também, daqueles profissionais que fazem parte do contingente que pode se filiar e integrar essa grande corporação que defende os interesses de todos, filiados ou não. Feliz ano novo!

 

FORMAÇÃO PROFISSIONAL I

 

A Câmara de Formação Profissional do CFA (CFP) tem como objetivo primordial contribuir para o processo de melhoria da qualidade do ensino de Administração no Brasil. A inserção dos profissionais de Administração no mercado de trabalho está intimamente associada a sua qualificação acadêmica. Dentro desse contexto o CFA envida esforços para que haja uma verdadeira revolução por meio da qual seja possível a criação de cursos de Administração voltados para além dos modelos tradicionais em direção a novas concepções, sintonizadas à realidade das modernas organizações e do mundo contemporâneo.

 

FORMAÇÃO PROFISSIONAL II

 

Um sistema educacional sinérgico, com capacidade de diagnosticar disfunções e realinhar ações de caráter corretivo, somente é alcançado por meio de parcerias. Em atendimento a esse preceito o CFA trabalha em parceria com a Associação Nacional dos Cursos de Graduação em Administração (ANGRAD), com o Ministério da Educação (MEC) e com a Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República, dentre outras entidades ligadas à Administração. Fonte: CFA

 

GESTÃO PÚBLICA

Em 2013 o Conselho Federal de Administração criou a Câmara de Gestão Publica (CGP). No mesmo ano, a CGP idealizou o projeto Administrador na Gestão Municipal, que tem como objetivo principal profissionalizar a gestão pública por meio da inserção do Administrador nas prefeituras. O projeto é executado pelos Conselhos Regionais de Administração (CRAs), que a partir do Macro Projeto Nacional desenvolvem suas ações locais sustentadas por 4 eixos temáticos: 1) Articulação Político-Institucional do Sistema CFA/CRAs; 2) Estudos e Pesquisas; 3) Capacitação e; 4) Avaliação dos Resultados. Em dezembro de 2016, lançamos o Índice CFA de Governança Municipal (IGM-CFA) que consiste em uma métrica da governança pública nos municípios brasileiros a partir de três dimensões: Gastos e Finanças Públicas; Qualidade da Gestão; e Desempenho. Foi elaborado a partir de dados secundários, e considera áreas como saúde, educação, planejamento urbano, articulação institucional, gestão fiscal, habitação, recursos humanos e outras. Saiba mais sobre o IGM-CFA no hotsite da CGP. Fonte: CFA

 

PENSAMENTO: “Nosso medo pode ser nossa salvação.” Rick Hampson

19/12/2017 11:46:00
Inbound e outbound marketing

Em praticamente todas as áreas há, sempre uma análise envolvendo o velho e o novo. Em relação ao marketing não é diferente. Há uma infinidade de conceitos direcionados sobre esse termo: marketing político, cultural, esportivo, social, multinível, digital, pessoal, de rede, de relacionamento e tantos outros. Ele se caracteriza, no âmbito de Administração de Empresas, como “um conjunto de atividades que envolvem o processo de criação, planejamento e desenvolvimento de produtos ou serviços que satisfaçam as necessidades do consumidor, e de estratégias de comunicação e vendas que superem a concorrência” (fonte: www.significados.com.br). E há uma interessante abordagem sobre inboud e outbound marketing que podem ser apresentados sob diferentes e importantes focos quando utilizados de maneira correta. “Não há um modelo estabelecido para a utilização de cada um. Ao contrário do Inbound Marketing, o Outbound Marketing pode ser definido como a estratégia tradicional de marketing, em que a marca é ativa no processo de prospecção de clientes. Exemplo: enquanto no Inbound Marketing você aguarda o peixe morder a isca, no Outbound Marketing você joga uma rede. São consideradas ações de Outbound Marketing comerciais de TV, rádio, internet, telemarketing, mala direta, flyers e links patrocinados, etc.” (fonte: www.raffcom.com.br ). O Inbound Marketing se destina, primordialmente a atrair e fidelizar clientes. Tem o escopo principal não de ir atrás do cliente, mas despertar nele o interesse de tal forma que ele venha à empresa e também se interesse pelo que ela oferece, via conteúdos de qualidade para o público específico, para entendê-lo e despertar-lhe o interesse pelo que a organização empresarial oferece. Assunto palpitante e que requer aprofundados estudos sobre a importância de cada um para cada finalidade pretendida.

 

Palestra Beneficente I

 

Noções de Empreendedorismo no Século XXI marcam a última palestra beneficente de 2017. O Conselho Regional de Administração de Sergipe (CRA-SE) encerrou seu ciclo de palestras beneficentes de 2017 com conteúdos fundamentais para o Administrador. Foi realizada na última segunda-feira, 11, a palestra "Competências Essenciais para o Empreendedor do Século XXI", ministrada pelo conselheiro Adm. Vinícius Nejaim. A palestra, que já havia sido elogiada na Semana do Administrador, voltou a reunir profissionais de Administração. Desta vez, o evento ocorreu no Auditório do CRA-SE e recebeu doações de materiais de higiene pessoal que serão doados a uma instituição de caridade.

 

Palestra Beneficente II

 

Foram tratados na palestra diversos aspectos voltados à área comportamental do ser humano. "Dá-se muita atenção ao aspecto técnico da atividade fim dos negócios, e as vezes a gente esquece que quem toca a atividade fim são pessoas que desenvolvem comportamentos adequados ou não", explicou o Adm. Vinícius Nejaim. O palestrante falou sobre os comportamentos o profissional precisa ter para que ele consiga se desenvolver e, de certa forma, empreender também. "O ser humano precisa saber quais os comportamentos deve ter para atingir resultados positivos, para que ele consiga, dentre todas as pressões que o mercado impõe cada dia mais nas organizações, lidar bem com as tarefas. E, no final de tudo, ao realizar o que precisa realizar, que ele se sinta feliz", concluiu Nejaim. Representando o CRA-SE, marcaram presença os conselheiros Adm. Carlos Eloy Filho, Adm. Diego da Costa (federal) e a presidência do Conselho, através do presidente Adm. Sidney Vasconcelos e o Vice-presidente Adm. Flávio Henrique.

 

PENSAMENTO: “Marketing é uma guerra mental. São as ideias que estão na cabeça das pessoas que determinam se um produto terá sucesso ou não.” Al Ries

11/12/2017 11:22:00
Metas que desafiam

Este momento de final de ano é propício para fazermos uma reflexão sobre o que vamos fazer em 2018 e recorrer a um escritor que fala sobre o tema pode nos ajudar: Mark Murphy é autor do livro “Metas que desafiam: a ciência dos feitos extraordinários”. Escreve ele: “Você é a razão de eu ter escrito este livro. Com todos os desafios e as oportunidades com que deparamos em nossa empresa, em nossa família, em nossa carreira, em nossa vida pessoal e até mesmo em nosso país, nada mais útil do que realizarmos grandes feitos. Mas de onde é que vêm esses grandes feitos? Por que algumas pessoas conseguem tanto, ao passo que outras ficam falando sozinhas? Bem, para encontrar a resposta, podemos observar alguns empreendedores reais, em diversos ramos de atividade. Existe a mulher que trabalha e é capaz de perder dez quilos (e consegue manter essa forma), sendo promovida à diretoria da empresa e também encontrando tempo para comparecer a todos os grandes eventos da escola do filho – e que além de tudo está se preparando para correr sua quarta maratona este ano. Existe um sujeito que consegue guardar US$ 2 milhões no banco com um salário de professor. Também sei de um empresário que abriu uma empresa durante uma das piores recessões de todos os tempos e aumentou suas vendas em 1.200% no primeiro ano. E, é claro, existem CEOs famosos, como Steve Jobs e Jeff Bezos, o tipo de pessoa que nos deixa admirado com os produtos surpreendentes e inovadores que nunca param de criar. Será que esses hiper-realizadores são apenas mais motivados? Ou são mais disciplinados? A resposta a ambas perguntas é “sim”, mas não da forma como você imagina. O que essas pessoas têm – o que toda pessoa que experimentou a grandeza em todos os tempos tem – são metas que desafiam.” Quais seriam as Metas que desafiam?

Capacitação I

“Capacitação” é a palavra que deve estar constantemente no dia a dia do Administrador. Sabendo disso, o Conselho Regional de Administração de Sergipe (CRA-SE) promoveu em sua sede mais uma forma de aprimoramento profissional: o Curso de Formação e Aperfeiçoamento de Pregoeiros e Equipes de Apoio foi ministrado pelo Adm. Daniel Almeida. O evento, voltado para os mais diversos profissionais, reuniu Administradores e Tecnólogos que possuem registro no CRA-SE.

Capacitação II

O curso, com dois dias de programação e uma carga horária de 20h aos participantes, teve em seu conteúdo programático Noções de Licitação, Conceitos Iniciais e Avançados de Pregão (Eletrônico e Presencial) e até uma Simulação de Pregão. O Adm. Daniel Almeida, que é especialista em Gestão Pública e Privada, pensou na programação no intuito de passar conhecimento de forma completa para os profissionais que já atuam ou desejam atuar na área de Licitações. “Esse é um curso de formação. Então, quando a gente faz isso, a gente está habilitando os participantes para executar determinada atividade. O pregoeiro, para exercer essa atividade, precisa ser formado. E não é em curso superior, mas num curso de pregoeiro”, explicou Daniel.

Capacitação III

A Administradora Kátia Cruz participa com frequência dos eventos realizados pelo CRA Sergipe e agradece a oportunidade. “É maravilhosa essa chance de se atualizar para quem é Administrador e até para quem não é, porque um profissional atualizado é um profissional mais valorizado”, declarou. O participante Sérgio Filho, que é estudante de engenheira civil, também compareceu ao auditório do CRA-SE para aprimorar seus conhecimentos sobre pregão. “Eu, na área de engenharia, trabalho diretamente com isso. Eu já participo de licitação pública há uns dois anos, então para mim, é sempre bom saber mais. Sem dúvidas, é muito interessante essa integração das profissões, a Administração e a engenharia. Saber que nós também podemos participar desses cursos de formação no CRA-SE é muito legal”. O evento aconteceu nos dias 24 e 25 de novembro, e deu direito a certificado de participação aos presentes.

PENSAMENTO: “Tenha muita Fé em Deus que um dia você chega lá.” Ayrton Senna

05/12/2017 10:05:00
Associativismo e sua importância para a democracia

A sociedade civil vem, nos últimos anos, se fortalecendo e a vida associativa tem alcançado muitos avanços. E isto é muito importante para a consolidação da democracia em nosso País. É fácil definir o termo associação como um resultado de iniciativa, seja formal ou informal, de reunir pessoas com objetivos e interesses comuns (científicos, culturais, políticos, filantrópicos, econômicos, sociais, etc.) com a finalidade de gerar benefícios para si e/ou para terceiros, fortalecidas pela união para enfrentar desafios. Não se restringe a pessoas físicas e se constituem sob as mais variadas categorias, formais ou informais. É cada vez mais intenso o associativismo entre pessoas jurídicas porque no mundo empresarial um desses desafios se refere, por exemplo, à competitividade, dentre outros. Os entes econômicos precisam de cooperação recíproca, parcerias, união, para se tornarem mais competitivos. Com isto é possível fortalecer o compartilhamento de recursos, riscos, custos, pesquisas, acesso a mercados maiores, enfim, incentivar a busca de meios para melhorar o desempenho de todos os envolvidos, respeitadas as características individuais. Interessante notar que o associativismo ajuda, e muito, a estabelecer diálogos com o poder público com melhores resultados, além de dar visibilidade e respeito perante a sociedade às categorias que são representadas pelas associações, cooperativas, sindicatos, consórcios empresariais e outras entidades. É inegável que há ganhos consideráveis para o processo democrático, ainda que haja uma grande heterogeneidade de objetivos e propósitos nessa área com interesses muitas vezes conflitantes mas que fazem parte da essência da democracia.

Palestra I

O ano de 2017 já está se encerrando, mas o Conselho Regional de Administração (CRA-SE) ainda tem missões para o ano corrente. Sucesso da gestão, será realizada mais uma Palestra Beneficente, a última de 2017. E o responsável por encerrar este ciclo de palestras é o conselheiro Adm. Vinícius Nejaim, que apresentará "Competências Essenciais para o Empreendedor do Século XXI". O evento acontece no dia 11 de dezembro, a partir das 18h30, no auditório do CRA-SE.

Palestra II

Sempre voltado à capacitação de Administradores e Tecnólogos, o CRA-SE também tem a sua missão social muito clara e procura contribuir com a sociedade como um todo através de palestras como do Adm. Vinícius Nejaim. E é pensando assim que a inscrição para esta palestra é gratuita, mas é solicitada a entrega de um kit de higiene pessoal na entrada do evento. O material arrecadado será destinado a uma instituição de caridade. Para se inscrever visite crase.org.br

Palestra III

A palestra, que foi um grande sucesso nas comemorações para o Dia do Administrador, em setembro deste ano, será realizada por Vinícius Nejaim com conteúdos atualizados sobre o tema. O Administrador é conselheiro do CRA-SE, Mestre em Administração de Empresas, especialista em Estratégia e Gestão de Pessoas e consultor empresarial.

Doação I

O Conselho Regional de Administração de Sergipe (CRA-SE) esteve na tarde da segunda-feira, 27 de novembro, no Asilo Rio Branco para a entrega de doação de fraldas geriátricas. O material arrecadado é proveniente de mais uma das palestras beneficentes promovidas pelo Conselho. O Asilo Rio Branco existe desde 1911 e já ajudou centenas de idosos na cidade de Aracaju. Atualmente, a unidade possui 29 quartos, com capacidade para acolher quase 60 idosos. Além da gestora Adm. Jeane Santos, o asilo conta com a ajuda de cuidadores, enfermeiros, assistentes sociais, fisioterapeuta, nutricionista e médico. As doações são fundamentais para manter o local ajudando tantos idosos. Para contribuir com o Asilo Rio Branco, os interessados devem ligar para (79) 3217-6124.

PENSAMENTO: Você descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto. William Shakespeare

30/11/2017 11:50:00
Transformação digital IV

Foram publicadas, nas três semanas anteriores, partes do artigo veiculado no site cio.com.br de autoria de Cezar Taurion. Hoje, a quarta e última parte:

O mercado, cada vez mais poderoso, é que determina o sucesso dos negócios. Os clientes valorizam custos (pay-per-use como exemplo), experiência (como autoatendimento, automação e personalização), e plataformas (como marketplaces e modelos de economia compartilhada, exemplificada com o Uber e outros).

Podemos simplificar dizendo que o que puder ser digitalizado o será, o que puder ser compartilhado, o será e o que puder ser feito sem intermediários, o será. Uma consequência disso é o processo de desagregação de indústrias consolidadas.

O cenário de transformação digital não é apenas o mundo dos Facebook, Google e outras empresas da Internet. Afeta a todos os setores de indústria, sejam bancos, empresas do setor farmacêutico ou manufaturas. Ficar inerte, escudado na regulação ou nas desculpas acomodadas que ouvimos muito, como “primeiro preciso arrumar a casa” não vão proteger a empresa. Não se negocia com disrupção. Ela simplesmente vem e passa por cima de negócios solidamente estabelecidos há décadas.

É uma jornada e, quanto mais cedo a percorrermos, melhores serão as chances de sobrevivência. Cinquenta anos atrás o tempo médio de vida das empresas da Fortune 500 era de 75 anos. Hoje está em 15 anos e declinando.

Esse estudo da McKinsey - “Three snapshots of digital transformation” - mostra três setores que estão sofrendo disrupção: bancos, varejo de alimentos e fármacos.

No setor financeiro, as Fintechs forçaram os bancos a saírem de sua inércia. O uso de algoritmos de “machine learning” está revolucionando a indústria de varejo de alimentos. E o setor farmacêutico, um “laggard” tradicional, começa a sofrer ataques que podem provocar mudanças significativas no seu negócio. As grandes corporações do setor estão acordando assustadas e se sentindo ameaçadas pela sua complacência em maturidade digital.

No estudo da McKinsey, a indústria farmacêutica e o setor público são os de menor quociente de maturidade digital. E nós ainda não vimos nada. As mudanças estão apenas começando e já mostrando seus impactos.

Nos próximos dez anos, não reconheceremos muitas das empresas atuais e muitas delas simplesmente deixarão de existir. Outras, que estão surgindo agora, tomarão seu lugar. A questão para os executivos das empresas veteranas é decidir, hoje, se querem ser sobreviventes ou não. Decidir em dois ou três anos já será tarde demais.

Transformação digital é basicamente uma questão de liderança, cultura, estratégia e gestão de talentos do que uma questão de tecnologia. Uma verdadeira transformação digital ocorre quando os modelos de negócios e métodos são reinventados por líderes corajosos, dispostos a aproveitar a oportunidade, mesmo sabendo dos riscos, e que estão realmente empenhados em desenhar seu próprio futuro, não esperando, em vão, que ele surja naturalmente.

Grandes líderes é que irão conduzir a transformação digital, enquanto os outros simplesmente irão gerenciar sua queda livre provocada pela transformação digital.”

ONG Transparente: Prestando Contas à Sociedade I

Mais um motivo de orgulho para o Conselho Regional de Administração de Sergipe (CRA-SE). O conselheiro administrador José Helder, que também é o diretor de Formação Profissional do Conselho, participou da criação do “ONG Transparente: Prestando Contas à Sociedade”, um projeto do Centro de Apoio Operacional do Terceiro Setor, em parceria com diversos órgãos do Ministério Público do Estado de Sergipe (MPSE).

O projeto vem sendo desenvolvido há cerca de dois anos e, agora, está sendo lançada uma cartilha de orientação de prestação de contas para organizações não governamentais.

ONG Transparente: Prestando Contas à Sociedade II

O conselheiro do CRA-SE, administrador José Helder, participou da elaboração da cartilha e explica a importância do recurso. “A cartilha funciona como uma espécie de manual para as ONGs saberem a forma certa de prestar suas contas. É uma ferramenta de transparência, porque vai mostrar à sociedade se está havendo boa utilização dos recursos recebidos”, disse o administrador.

José Helder falou ainda dos motivos que levaram o CRA-SE a participar do projeto. “Esse manual vai além das questões contábeis. Se trata da utilização do recurso pela organização. Porque a ONG pode estar com tudo certo, todas as exigências contábeis da lei, tudo certo. Mas, e esse recurso que a ONG recebeu, ele está sendo bem utilizado? O serviço, a obra, o produto feito com esse recurso foi entregue à comunidade assistida? É também a administração desses recursos que está sendo observado”, completou o conselheiro. Fonte: CRA-SE

PENSAMENTO: “Tornou-se chocantemente óbvio que a nossa tecnologia excedeu a nossa humanidade.” Albert Einstein

24/11/2017 09:58:00
Transformação digital III

Foram publicadas, nas duas semanas anteriores, partes do artigo veiculado no site cio.com.br de autoria de Cezar Taurion. Por sua importância para uma efetiva abordagem do assunto, acrescenta-se, hoje, mais uma parte do mesmo artigo:Hoje, o pesadelo dos CEOs é acordar e ver que seu maior concorrente não existia na semana anterior, ou pelo menos ele não o tinha percebido. Muitas vezes, estas startups, passam despercebidas, pois uma empresa exponencial, em seu início, confunde-se com uma evolução linear. Mesmo dobrando a períodos curtos, no início, representa pouco. Por exemplo, quando elas têm participação de mercado de 0,1%, 0,2%, 0,4%... não aparecem nas estatísticas. Os veteranos simplesmente as ignoram. E continuam a fazê-lo mesmo quando começam a chamar atenção, com 1%, 2%, 4%. Ainda são vistas de forma: “menos de 10% do mercado... vai levar tempo para ser uma tecnologia disseminada”. E é aí que está o maior engano. Pensamos linearmente. E somos atropelados pela exponencialidade. De 10% vai para 20% e em pouco tempo elas têm 60% a 80% do mercado. Para complicar as coisas, muitas das empresas que esmagaram as veteranas nem tinham essa intenção, no início...” E prossegue o articulista: “Observem que as empresas já estabelecidas poderiam ter reagido, mas não perceberam a ameaça e nem pensaram em elas mesmas provocar a disrupção. A disrupção provocada pela transformação digital afetará, de forma mais intensa e bem mais rápida, a maiorias das empresas, muitas das quais ainda relutantes em reconhecer este cenário... “A transformação digital tem duas características que a distinguem do tradicional cenário competitivo: a velocidade e amplitude da mudança. Um exemplo é o WhatsApp que em poucos anos destruiu o mercado bilionário das mensagens de texto, SMS, das operadoras de telefonia móvel. O fato é que o WhatsApp e anteriormente o Skype, não surgiram de dentro das operadoras, que se acomodaram em seus modelos de negócio e não perceberam a mudança que já estava acontecendo. Os usuários começaram a usar, surgiram reportagens na mídia, seus amigos começaram a usar, mas os executivos se sentiam tão protegidos pelos seus “sólidos” modelos de negócio que não reconheceram o potencial de disrupção. E quando acordaram, começaram a tentar se proteger escudados em legislação. Não seguram o tsunami.”

 

Responsáveis Técnicos I

 

O Conselho Regional de Administração de Sergipe inovou e promoveu o I Encontro de Responsáveis Técnicos. No intuito de debater assuntos diversos dentro da temática, o CRA-SE reuniu administradores e tecnólogos no sábado, 11 de novembro. O encontro teve como tema principal a Reforma Trabalhista e marcou a estreia do mais novo auditório do Conselho de Administração. O encontro foi uma iniciativa do diretor de fiscalização do CRA-SE Adm. Jorge Cabral. O conselheiro falou da importância da realização de eventos como o Encontro de Responsáveis Técnicos. "Era um sonho da nossa gestão dar início a eventos como esse. Esse é apenas o primeiro encontro. Pretendemos fazê-los com frequência, debatendo os mais diversos assuntos. Essa casa pertence ao administrador. É importante que os profissionais saibam que é fundamental o registro no Conselho e que essas ações são justamente para para integrá-los ao CRA", afirmou.

 

Responsáveis Técnicos II

 

O registrado Adm. Richard Benjamin esteve presente no I Encontro de Responsáveis Técnicos e falou sobre o que acha da iniciativa. "O CRA busca através dessas reuniões é buscar soluções para que a gente coloque em prática o que é debatido aqui", disse. A tecnóloga em RH "Eu sou registrada há mais ou menos 7 anos e eu sentia muita falta de uma aproximação com o Conselho. Esses encontros e as palestras que o CRA tem promovido faz a gente se aproximar mais. Não fica aquela coisa distanta que a gente só paga e não recebe retorno", falou. Em breve, será realizado o II Encontro de Responsáveis Técnicos. Logo mais serão dadas mais informações.

 

PENSAMENTO: “Sendo motivado pela compaixão e amor, respeitando os direitos dos outros - essa é a verdadeira prática da religião.” Dalai Lama

Página 1 de 1. Ir para a página:
Colunista Diego da Costa
Diego da Costa
Diego da Costa é Administrador, CRA-SE 203501, Especialista em Marketing, Líder Coach Psicopositivo, Coach ISOR, Conselheiro Federal de Administração representando Sergipe, Associado fundador do Rotary Club de Aracaju Nova Geração, fundador do Conselho de Jovens Empreendedores de Sergipe, Consultor e Mentor.

 

O conteúdo desta publicação é de responsabilidade do colunista.

Notícias em Sergipe
Notícias em Sergipe
Notícias em Sergipe
Notícias em Sergipe
Notícias em Sergipe
F5 News - © 2016.
criação de site