Prévia Carnavalesca
MPE diz que bloquinho na Orla da Atalaia estava sem autorização
Evento foi marcado por confusões. Ministério Público alerta para riscos dessas festas
Cotidiano| Por F5 News 12/02/2019 14:49 - Atualizado em 12/02/2019 17:07

O promotor de Justiça Eduardo Matos, do Ministério Público de Sergipe (MP), disse hoje (12) que o bloquinho carnavalesco realizado no final de semana passado na região da Orla da Atalaia, zona Sul de Aracaju, não possuía autorização dos órgãos competentes para sair. Pelas redes sociais circularam vários vídeos e relatos de foliões sobre confusões e até tiros registrados durante a festa.

Segundo o titular da Promotoria do Meio Ambiente, os organizadores da festa devem responder a um inquérito criminal a fim de que sejam responsabilizados, uma vez que o Ministério Público recebeu denúncias de “arrastões, pessoas feridas e complicações no trânsito da região”.

No mesmo final de semana, outros dois eventos semelhantes foram realizados na Beira-Mar e no bairro Suissa, ambos na zona sul da capital sergipana. Nestas festas, salientou o promotor, também houve registros de tumultos.

Eduardo Matos cobrou empenho da Prefeitura de Aracaju para coibir a recorrência de situações dessa natureza.  

“Estes eventos costumam reunir mais de 20 mil pessoas e diante disso é preciso uma estrutura para atender demandas que possam surgir. No caso do último final de semana, não tínhamos nem hospitais, nem ambulâncias preparadas para atender um grande números de feridos, caso fosse necessário”, ponderou o promotor, que deve realizar uma reunião com os envolvidos nesta quarta-feira (13).

O presidente da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb), Luiz Roberto Dantas, disse que o órgão recebeu várias solicitações para realização de bloquinhos na Passarela do Caranguejo, nos próximos finais de semana, mas não há condições de autorizá-los.

“O impacto em todo o fluxo da região é muito grande. Temos eventos que acontecem ali todos os anos, como a parada Gay e a festa de Oxum, mas a proposta é bem diferente desses bloquinhos”, afirmou.

Em nota, a banda É Dry, responsável pela organização da festa, disse que precisou encerrar o evento antes do horário previsto  - “algumas pessoas mal intencionadas começaram a tumultuar”. Os organizadores também lamentaram os transtornos e declararam ter assegurado a estrutura para evitar fatalidades, mas não esclareceram sobre a autorização para promoção do bloquinho.

“É com pesar que pedimos a compreensão e o suporte dos amigos e pessoas que já conhecem a nossa trajetória, para que possamos resolver tudo isso da melhor forma possível“, diz a banda na nota. O F5 News está à disposição através do email jornalismo@f5news.com.br

*Com informações da FAN FM.

Mais Notícias de Cotidiano
15/02/2019 17:59 Banese parcela contas de água, luz e telefone em até 12 vezes
Nova linha de crédito oferece também parcelamento de IPVA, IPTU, DARF e DAM
15/02/2019 15:04 Justiça nega liminar para deslocamento ou extinção da feira do Castelo Branco
A feira livre funciona no local, todas as sextas-feiras, há mais de dez anos
15/02/2019 14:59 Castramóvel auxilia no controle populacional de animais na Sementeira
A ação foi motivada pelo grande número de gatos encontrados dentro do parque
15/02/2019 12:05 Oncologista reforça importância do diagnóstico precoce do câncer infantil
Com a evolução do tratamento, muitos pacientes conseguem a cura
15/02/2019 10:56 Mulher é presa por agenciar menina de 13 anos para prostituição em SE
Jovem saiu com pelo menos seis homens num intervalo de um mês