Instituições devem ficar atentas a retrocessos, diz Marco Aurélio
Ele vê o risco de ditadura, seja de esquerda ou de direita
Brasil e Mundo| Por Agência Brasil 09/10/2018 19:55 - Atualizado em 09/10/2018 20:02

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, disse que vê o risco de ditadura no Brasil, seja de esquerda ou de direita, neste momento de polarização política. Em entrevista exclusiva ontem à noite à TV Brasil, Mello falou à jornalista Roseann Kennedy, que as instituições devem ficar atentas para inviabilizar qualquer tentativa de retrocesso.

“O risco [de ditadura] eu sempre vejo. Porque, certa feita, eu li um livro A Marcha da Insensatez, a história se repete. E, evidentemente, temos que estar atentos aos contornos. Claro que, eleito este ou aquele candidato, ele perceberá que precisa, por exemplo, do Congresso Nacional para governar. Perceberá que, estando na cadeira mais importante da República, deverá dar um exemplo em termos de observância da ordem jurídica”, declarou Mello.

O ministro afirmou ainda que não acredita que possa ocorrer retrocessos de imediato e alertou que não é possível “atropelar o que está estabelecido” para se alcançar determinado resultado. “Estamos vivenciando uma democracia há 30 anos. Não há espaço, de início, para retrocesso, mas as instituições precisam estar atentas, inviabilizando qualquer tentativa neste sentido de ter-se um retrocesso”.

Durante a entrevista, Mello lamentou que o país tenha chegado à radicalização. Ele avaliou que as urnas deram o recado de uma insatisfação muito grande com o contexto de escândalos, e o voto pretendeu modificar os representantes para que eles atuem pelo Brasil.

"Lamentavelmente nós chegamos à radicalização, aos extremos. E aí penso que falha a sociedade. A sociedade imagina que simplesmente não estejam sendo tomadas providências para combater essa mazela, esse mal maior que é a corrupção. E estão sendo tomadas providências, tanto que temos um ex-presidente da República preso. Certo ou errado, mas está preso, ou seja, a polícia vem atuando, o Ministério Público também e o Judiciário, revelando que a lei vale para todos, indistintamente. Agora nós temos o sufrágio universal, a escolha dos nossos representantes e aí prevalece a vontade do eleitor”, disse.

Questionado sobre o temor do crescimento de populismos de direita ou esquerda, o ministro reiterou ainda que a Constituição Federal deve ser observada, as regras estabelecidas precisam ser respeitadas e não devem ser atropeladas por entusiasmos ou paixões.

Mello afirmou que as instituições brasileiras são fortes e que o Supremo acaba sendo "um poder definidor, uma vez provocado”. Ele ressaltou que os Três Poderes da República são harmônicos independentes e declarou que “não cabe invasão de área” entre os poderes.

“Não há invasão pelo Supremo de área reservada ao Legislativo. Quando nós atuamos é a partir do instrumental que está na Constituição e mediante provocação. Não é raro um partido, por exemplo, político vir ao Supremo e pleitear um pronunciamento. Mas, aí quando o Supremo decide de forma contrária a certos interesses, se potencializa essa ótica de que teria ocorrido invasão da área do Legislativo, mas não há essa invasão”, acrescentou.

Mais Notícias de Brasil e Mundo
11/12/2018 13:51 Campinas: atirador invade igreja, mata quatro pessoas e comete suicídio
Outras quatro pessoas foram baleadas e estão em estado grave; criminoso ainda não foi identificado
10/12/2018 13:35 Museu Nacional recebe doação de quase 190 mil euros do governo alemão
Quantia equivalente a cerca de R$ 808 mil será utilizada na recuperação do acervo resgatado dos escombros
09/12/2018 09:50 Madri aumenta segurança para a final da Libertadores neste domingo
River Plate e Boca Juniors se enfrentam hoje (9) no estádio Santiago Bernabéu, em Madri.
07/12/2018 14:48 Mais Médicos abrirá inscrições para profissionais formados no exterior
Os candidatos terão entre os dias 11 e 14 de dezembro para enviar documentação ao ministério
07/12/2018 14:15 Doze pessoas são mortas durante tentativa de assalto a banco no Ceará
Seis reféns morreram no confronto, sendo cinco pessoas da mesma família, entre elas, duas crianças