Imunidade adquirida pelo vírus da dengue pode proteger contra o da zika
Brasil e Mundo 13/11/2017 16:50 - Atualizado em 13/11/2017 16:18

A imunidade adquirida por uma infecção pelo vírus da dengue pode proteger contra o vírus da Zika. Em síntese esta foi a conclusão de um estudo realizado pelo Instituto de Arboviroses da Universidade de Wenzhow na China, em parceria com outras instituições. Além disso, a pesquisa não encontrou evidências de interações entre as duas doenças. As conclusões do estudo foram publicadas hoje (13) pela revista Nature Communications.

A revista é parte da Nature Research - um banco de dados internacional que reúne autores e trabalhos científicos de todo o mundo. Segundo o artigo, a pesquisa tem um valor importante na busca por vacinas contra os vírus dengue e zika.

O estudo utilizou camundongos como cobaias e observou que os animais que tiveram dengue desenvolveram a chamada proteção cruzada - termo utilizado para referir-se à transferência de microrganismos. Além disso foram observadas a presença de linfócitos - T CD8 - células de defesa que se formaram após a combinação dos vírus da dengue e da zika.

Os animais foram divididos em dois grupos: um que havia sido infectado inicialmente com o vírus da dengue, após recuperados foram infectados com o vírus da Zika; e um segundo grupo foi infectado pelo Zika sem ter tido uma infecção prévia de dengue.

Nos resultados, o grupo com infecção anterior de dengue apresentou uma carga reduzida de Zika no organismo: sangue nos tecidos e no cérebro.

A imunidade adquirida em cobaias que tiveram o vírus da Dengue, e depois foram expostos ao vírus da Zika, também mostrou que a Dengue não seria potencializadora de infecções mais graves de Zika. A tese de que a interação entre as duas doenças provocaria casos graves de Zika foi levantada no início da epidemia de Zika no Brasil, em 2015.

A hipótese caiu por terra e agora os pesquisadores acreditam que uma infecção anterior por Dengue pode impedir casos graves de contaminação pelo Zika ou até mesmo a microcefalia em bebês gerados por mães que tiveram Zika na gestação. 

Uma das conclusões dos pesquisadores é que a presença de anticorpos por uma infecção de Dengue, pode explicar por que nem toda mulher com Zika transmite a doença para o bebê e também por que algumas pessoas podem ter sido infectadas com Zika e nunca terem desenvolvido a doença.

A descoberta da ação dos linfócitos T CD8 presente na defesa das infecções pelos vírus Dengue e Zika pode dar novos rumos às pesquisas com vacinas em andamento. Até agora, segundo o artigo a maioria dos testes com vacinas, atuam somente contra os linfócitos B - que produzem anticorpos após o contato com uma infecção. As células do tipo T têm uma ação direta sobre o microrganismo, agindo antes da infecção.

O trabalho foi desenvolvido por um grupo de pesquisadores chefiado por Jinsheng Wen, da Universidade de Wenshou e teve parceria de outras universidades como o Instituto La Jolla de Alergia e Imunologia da Califórnia.

Fonte: Agência Brasil

Mais Notícias de Brasil e Mundo
17/08/2018 08:19 Pesquisa indica que 16 milhões de brasileiros vivem sem nenhum dente
Condição provoca baixa auto-estima e dificulta namorar e fazer amigos
16/08/2018 14:35 Legado de Elvis Presley segue vivo, 41 anos após sua morte, e inspira fã
Admirador aracajuano compartilha suas histórias com o rei do rock
16/08/2018 12:06 Morre aos 76 anos Aretha Franklin, a "rainha do soul"
16/08/2018 08:30 Com fim da hegemonia da TV, internet pode ser decisiva nestas eleições
Especialistas avaliam que as redes terão mais peso que nunca no pleito
15/08/2018 14:00 Censo 2020 terá informações específicas sobre comunidades quilombolas
O primeiro teste piloto será realizado entre os dias 20 de agosto e 6 de setembro