Bandeira tarifária deve ficar vermelha até o fim do ano, prevê ONS
As cores verde, amarela ou vermelha indicam se a energia custa mais ou menos
Brasil e Mundo| Por Agência Brasil 14/09/2018 08:31 - Atualizado em 14/09/2018 08:47

O diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Luiz Eduardo Barata, avaliou que a bandeira tarifária poderá continuar vermelha até o final do ano, apesar de reconhecer que a definição não é atribuição do órgão.

Isso deve ocorrer, segundo ele, porque, mesmo com o início do período chuvoso, as térmicas deverão continuar ligadas devido à escassez hídrica. Luiz Eduardo Barata participou do seminário O Futuro do Setor Elétrico Brasileiro: Desafios e Oportunidades, promovido hoje (13), no Rio de Janeiro, pela Associação Brasileira de Companhia de Energia Elétrica (ABCE).

A bandeira tarifária está vermelha desde junho.

De acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o sistema de bandeiras foi criado para sinalizar aos consumidores os custos reais da geração de energia elétrica. As cores verde, amarela ou vermelha indicam se a energia custa mais ou menos por causa das condições de geração. A Aneel acredita que, com as bandeiras, a conta de luz ficou mais transparente.

Mais Notícias de Brasil e Mundo
17/11/2018 16:28 Quase metade dos órgãos federais não tem unidades contra corrupção
Entre os 79 entes federais que ainda não indicaram ter criado a unidade gestora estão a Presidência e a Vice-Presidência da República
17/11/2018 11:46 Jungmann e Toffoli anunciam sistema que unifica processos de presos
Com sistema, juiz pode saber se preso tem condenação em outro estado
17/11/2018 11:35 Defensoria Pública pede à Justiça manutenção de regras do Mais Médicos
Após exigências do governo brasileiro, acordo foi rompido por Cuba
17/11/2018 11:30 Mais de 900 médicos fazem prova do Revalida neste fim de semana 
O exame reconhece diplomas de médicos que se formaram no exterior e querem trabalhar no Brasil
16/11/2018 13:15 Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
Levantamento da ONU mostra que 2,7 mil mulheres foram assassinadas