Governador, Eduardo aceitaria ingerência, pressão do líder André? E aí
Blogs e Colunas | Joedson Telles 07/05/2018 20:53 - Atualizado em 08/05/2018 16:53

Volto a alugar os botões com mais uma inquietação a passar despercebida em terra onde pensar soa artigo de luxo: em sendo eleito governador, na atual conjuntura, o senador Eduardo Amorim, no mínimo, teria trabalho para escalar seu time e dar sua cara ao governo, dada a pressão do deputado federal André Moura, a esta altura podendo, inclusive, estar sem mandato e, logo, com tempo sobrando para a ingerência ou Eduardo Amorim retomaria a liderança do agrupamento pela força da caneta e daria um “chega pra lá” nas pedras, dando margem para o discurso recorrente da traição? Neste caso, uma falsa traição definiria melhor.

Atrelada ao seu estilo, a forma como o deputado André Moura cresceu politicamente no agrupamento, diminuindo, visivelmente, a então liderança do senador Eduardo Amorim até tomá-la de vez, alimenta a lógica. Sustentada pelo acordo que tem com o presidente Michel Temer, a relação André x aliados deixa isso evidente - sobretudo em se tratando de prefeitos.

A migração da liderança deu-se não por André ter mais credibilidade que Eduardo, ser mais bonito... Mas, como é de conhecimento de todos, pesou a força das promessas de liberação de recursos. Ao se aproximar de Temer, de Cunha e demais, André passou a pagar o preço negativo, óbvio. Entretanto centralizou a destinação de verbas para Sergipe.    

O resultado da engenharia é flagrante: de pré-candidato a governador do agrupamento da oposição, Eduardo passou a ser o pré-candidato de André Moura ao cargo que ele, André, quiser. Ou Joedson Telles exagera, se escrever aqui que André só não disputa a eleição para governador do Estado porque reúne lá seus medos? É inteligente, e não covarde... Mas se fosse só por Eduardo “tratorava”...

Aliás, querer ser governador de Sergipe, o líder André não só quer como sonha. É zero 800... Já tem até nome de secretário na cabeça. Não é difícil deduzir. Todavia, aposta que, para chegar ao Senado Federal, as dificuldades (por algumas razões) são menores. A demora em anunciar se disputará, de fato, o Senado ou se tentará a reeleição só ratifica sentimentos atemorizados. André sabe o que significaria ficar sem mandato um só dia - e reflete muito antes de tentar o chamado voo mais alto...

Voltando a Eduardo Amorim, que não demonstra publicamente, mas, evidentemente, não pode estar satisfeito em perder a liderança e passar a ser liderado (às vezes com truculência?), pelo jeito, seu caminho será mais próximo da segunda opção da indagação que abre este texto.

Em sendo ele o candidato a governador e em vencendo a eleição no atual agrupamento, às favas o discurso meloso de traição. Teria a caneta e a legitimidade das urnas para não baixar a cabeça e ceder às desenhadas pressões. Seria governador. Eduardo é um homem educado, fino. Mas quem o conhece sabe: só faz o que quer. Aliás, já contrariou gente bem próxima, ao votar de acordo com a sua consciência no Senado.

E se Eduardo tem a oportunidade de disputar o governo com chances de vitória por que não engolir sapo, agora, apostando em ter a caneta, mais tarde? Teria a oportunidade de desmoralizar o provável discurso adversário: “André mandaria num governo de Eduardo”. Isso com aquele tempero usado por Sukita e Edvaldo Nogueira: quadrilha, assaltantes e coisas afins. É isso. 

Notícias em Sergipe
Mais Notícias de Joedson Telles
14/10/2018 06:18 “Perdemos a capacidade de dar bons exemplos. Você escuta que o político é sacana, ladrão”
12/10/2018 12:37 Belivaldo e o vídeo inconsistente ventilado com a intenção de desgastá-lo
08/10/2018 08:01

Sergipe optou pela mudança, mas precisa agradecer a Valadares

02/10/2018 20:09

O debate entre os candidatos ao governo

01/10/2018 20:51

É analisar e escolher o melhor

Blogs e Colunas
Joedson Telles
Joedson Telles é um jornalista sergipano formado pela Universidade Federal de Sergipe e especializado em política. Exerceu a função de repórter nos jornais Cinform, Correio de Sergipe e Jornal da Cidade. Fundou e edita, há nove anos, o site Universo
Político e é colunista político do site F5 News.

E-mail: jornalismo@universopolitico.com.br


O conteúdo e opiniões expressas neste espaço são de responsabilidade exclusiva do seu autor e não representam a opinião deste site.